Inovação e estratégia competitivas

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Inovação e estratégia competitivas by Mind Map: Inovação e estratégia competitivas

1. As múltiplas incertezas que cercam a atividade econômica levam as empresas a buscar estratégias competitivas adequadas aos mercados em que atuam

1.1. Estratégias são fundamentadas na avaliação das ameaças e oportunidades externas e da capacidade interna da firma de responder a esses desafios e influenciar o ambiente externo

1.1.1. Conceitos de estratégias

1.1.1.1. Enfoque estrutura/conduta/desempenho

1.1.1.1.1. A estratégia é essencialmente a relação entre a empresa e o ambiente externo e que a parte mais relevante do ambiente externo é a indústria ou setor de atividade no qual a empresa se insere

1.1.1.2. Novas teorias de organização industrial/teoria dos jogos

1.1.1.2.1. Um movimento estratégico de uma empresa visa influenciar o comportamento de outos agentes no mercado

1.1.1.3. Baseado em recursos

1.1.1.3.1. A estratégia competitiva de uma empresa deve ter por base o potencial de receitas que podem ser obtidas pelo uso de recursos específicos e escassos detidos por ela

1.1.1.4. Capacitação dinâmica

1.1.1.4.1. O desenvolvimento de novas capacitações ocorre por meio do aprendizado social e coletivo da empresa

1.1.1.5. Os quatro enfoques são complementares

2. Tipos de estratégias

2.1. A estratégia ofensiva de inovação é adotada por empresas que buscam liderança tecnológica em determinados segmentos da indústria

2.1.1. A empresa precisa contar com boa capacidade criativa e técnica, seja internamente ou através do acesso privilegiado a laboratórios e centros de pesquisa e da relação exclusiva com consultores e fornecedores de insumos e serviços críticos

2.1.2. A empresa que adota uma estratégia ofensiva deve estar preparada para investir em longo prazo e assumir riscos

2.1.3. Envolve não apenas P&D, mas também funções igualmente importantes, como propaganda e marketing, logística e criação e adaptação de novas rotinas organizacionais

2.1.4. No Brasil um exemplo desta estratégia é a Petrobras

2.2. A estratégia defensiva é adotada quando a empresa não quer correr riscos de será primeira a inovar, mas também não quer ser deixada para trás em termos tecnológicos

2.2.1. Espera aprender com os erros dos pioneiros e aproveitar a abertura de um novo mercado para oferecer soluções mais seguras e consistentes

2.2.2. Típica dos mercados oligopolista e está associada à diferenciação de produtos

2.2.3. Para manter sua parcela de mercado, a empresa defensiva precisa desenvolver produtos tão bons quanto os do concorrente e incorporar novas características que os diferenciem em design, preço e performance

2.2.4. Exige capacitação em produtos e processos, aproveitamento de economias de escala e de escopo e incorporação de inovações organizacionais no sentido de promover maior integração dos processos internos e externos

2.3. A empresa que adota a estratégia imitativa não aspira ser líder ou ter grandes lucros com a introdução da inovação

2.3.1. Pretende apenas marcar sua presença no mercado, oferecendo um produto semelhante aos existentes

2.3.2. Quanto maior a proteção ao mercado local, maior a viabilidade de uma estratégia imitativa.

2.3.3. É usualmente adotada em países em desenvolvimento

2.3.4. Pode ser sustentada quando a firma detém um nicho de mercado, composto de clientes fiéis a uma determinada marca ou tipo de serviço

2.3.5. Empresas de pequeno porte que participam de setores menos vulneráveis à mudança tecnológica geralmente adotam estratégias imitativas

2.3.6. Desvantagem: proporciona margem de lucro muito apertada

3. Tipos de estratégias

3.1. A estratégia dependente assume um papel subordinado em relação a outras empresas mais fortes

3.1.1. Geralmente não contam com capacitação própria para alterar o processo produtivo ou lançar novos produtos

3.1.2. Quatro tipos de modelos de negócios que se apoiam em estratégias tecnológicas dependentes

3.1.2.1. 1. Empresas que fabricam produtos para serem comercializados sob a marca de terceiros

3.1.2.2. 2. Empresas que operam sob regime de franquias

3.1.2.3. 3. Subsidiárias de outras empresas que mantêm controle centralizado sobre as atividades de P&D

3.1.2.4. 4. Empresas que adquirem tecnologia de terceiros sem um esforço próprio de capacitação

3.2. A tradicional e oportunista praticamente não muda seus produtos, ela geralmente não conta com capacidade técnica para iniciar mudancas

3.2.1. É aquela que conta com um produto conhecido no mercado ou cuja reputação está justamente no caratê artesanal de sua fabricação

3.2.2. A estratégia oportunista está associada à exploração de nichos de mercado ou oportunidades temporárias.

3.2.2.1. Sempre existe a possibilidade de empreendedores identificarem alguma nova oportunidade em mercados em rápida transformação que não requeira grandes investimentos em P&D

3.2.2.2. É frequentemente adotada em situações especiais que abrem janelas de oportunidades