Metodologia Científica

Kom i gang. Det er Gratis
eller tilmeld med din email adresse
Metodologia Científica af Mind Map: Metodologia Científica

1. Pesquisa científica (características/etapas)

1.1. Pesquisa científica

1.1.1. Pesquisa com a definição de um problema, uso de coleta de dados, experimentação, formulação de hipóteses e teses.

1.2. Etapas do Método Científico

1.2.1. Observação

1.2.1.1. Pesquisador observa uma determinada problemática.

1.2.2. Elaboração do problema (questionamento)

1.2.2.1. O pesquisador vai elaborar possíveis perguntas sobre o determinado problema analisado.

1.2.3. Hipóteses

1.2.3.1. Propor explicações para certos fatos analisados

1.2.4. Tese

1.2.4.1. Coleta de dados e argumentos que comprovem a sua tese.

1.2.5. Analise dos resultados

1.2.5.1. Pesquisador vai analisa cada um dos resultados para verificar se eles são suficientes para explicar cada um dos problemas levantados após as coletas de dados e também se estão de acordo com as hipóteses.

1.2.6. Conclusão

1.2.6.1. Teoria mais conclusão

1.2.7. Publicação

1.2.7.1. Elaboração do relatório ou publicação dos resultados.

1.2.7.1.1. TCC

1.2.7.1.2. Artigo científico

1.2.7.1.3. Pôster científico em congresso

1.3. Tipos de Trabalho Científico

1.3.1. Trabalho de Graduação

1.3.1.1. Trabalho a que vão servir para ajudar a ficção do conteúdo, bibliografia e ampliar a visão do aluno com a pesquisa científica.

1.3.2. Trabalho de Conclusão de Curso

1.3.2.1. TCC, instrumento de avaliação total no final da graduação.

1.3.3. Mestrado

1.3.3.1. Aprofunda o conhecimento da graduação

1.3.4. Doutorado

1.3.4.1. Conhecimento teórico mais profundo do que o mestrado acadêmico, buscando avanços reais do conhecimento científico

1.3.5. Artigo científico

1.3.5.1. Publicação com sua própria autoria, que apresenta e discute ideais, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento

1.4. Redação técnico-científica

1.4.1. Objetividade

1.4.1.1. Ser objetivo, evitando palavras de duplo significado ou palavras de difícil compreensão

1.4.2. Clareza

1.4.3. Precisão

1.4.4. Imparcialidade

1.4.5. Encadeamento

1.4.6. Impessoalidade

1.4.7. Concisão

1.4.8. Coerência

1.5. Fundamentação/Fontes

1.5.1. Fonte Primária

1.5.1.1. Uso diretamente do autor para elaborar o seu material.

1.5.2. Fonte Secundária

1.5.2.1. Há uma participação de um segundo autor.

1.5.3. Fonte Terciária

1.5.3.1. Finalidade e colocar o pesquisador em contato com tudo que já foi escrito.

1.6. Citações

1.6.1. Citação Direta Curta

1.6.1.1. Até 3 linhas, devem está contida entre aspa dupla. Máximo 3 linha.

1.6.2. Citação Direta Longa

1.6.2.1. No texto, com mais de três linhas, devem ser destacados com recuo de 4 da margem esquerda, com letra menor que a do texto, no tamanho 10, sem aspas espacejamento simples entrelinhas

1.6.3. Citação Direta - A citação da citação

1.6.3.1. Quando o autor estar também citando algum outro autor.

1.6.4. Citação Indireta

1.6.4.1. Em texto baseado na obra do autor. E uma paráfrase ou um comentário sobre a ideia de um autor. Acrescentamos, entre parêntese, sobrenome do autor, em versão, e o ano, indicação das páginas consultadas e opcional.

1.6.5. Citação com autor

1.6.5.1. último sobrenome do autor, data e página.

1.6.6. Citação com dois autores

1.6.6.1. último sobrenome de cada autor separado por ponto e vírgula, com data e página. Se os autores forem citados no corpo do texto devem ser separados pela letra “e”.

1.6.7. Citação com três (+) autores

1.6.7.1. apenas o ultimo sobrenome do primeiro autor, seguido da expressão et al. (com ponto e sem itálico), com data e página (quando for a citação direta).

1.7. Referências Bibliográficas

1.7.1. Livro

1.7.1.1. SOBRENOME DO AUTOR em maiúsculas , Nome. Título, subtítulo, edição, local de publicação, editora e ano.

1.7.2. Livro com mais de 3 autores

1.7.2.1. SOBRENOME PRIMEIRO AUTOR; Prenomes, et al., título do livro (em negrito), o subtítulo (sem negrito, inclusive os dois pontos), a edição, o local, a editora e o ano.

1.7.3. Livro com autor organizador

1.7.3.1. SOBRENOME DO ORGANIZADOR, Prenomes deste, e todas as demais informações conforme descrito nos itens anteriores.

1.7.4. Entidades Governamentais

1.7.4.1. NOME DO PAÍS, a entidade (ministério, secretarias, etc.), o título (em negrito), o subtítulo (sem negrito, inclusive os dois pontos), a edição, o local, a editora e o ano de publicação.

1.7.5. Tese, Dissertação, Trabalho acadêmico

1.7.5.1. SOBRENOME DO AUTOR, Prenomes. Título (em negrito). Ano. Número de folhas e volumes. Tese, dissertação ou trabalho acadêmico (grau e área) – Unidade de ensino, Instituição, Local: data.

1.7.6. Revistas e Periódicos

1.7.6.1. SOBRENOME, Prenome. Título do artigo. Título do periódico (em negrito), Local de publicação (cidade), n. do volume, n. do fascículo, páginas inicial-final, mês (abreviado), ano.

1.7.7. Internet

1.7.7.1. SOBRENOME, Prenomes. Título (em negrito): subtítulo (se houver). Disponível em: <endereço da URL>. Acesso em: dia mês (abreviado) ano.

2. Organização técnico-científica

2.1. Definição do Tema

2.1.1. Assunto relevante para o desenvolvimento da humanidade

2.1.2. Descobertas novas

2.1.3. Assunto relevante para o pesquisador

2.1.4. Assunto relevante para a pesquisa científica

2.1.5. Justificativa

2.2. Tipos de Pesquisa

2.2.1. Natureza

2.2.1.1. Básica

2.2.1.1.1. Geração de conhecimento para avanço da ciência sem aplicação prática

2.2.1.2. Aplicada

2.2.1.2.1. Geração de conhecimento para aplicações pratica voltados para a solução de problema concretos da vida moderna

2.2.2. Realização de Objetivos

2.2.2.1. Exploratória

2.2.2.1.1. Tornar algo explicito, apropriada para os primeiros estágios de investigação

2.2.2.2. Explicativa

2.2.2.2.1. Identificar os fatores que determinam para a ocorrência de fenômenos

2.2.2.3. Descritiva

2.2.2.3.1. Descreve as características de determinada população ou fenômeno

2.2.3. Procedimentos Técnicos

2.2.3.1. Estudo de Caso

2.2.3.1.1. Estudo profundo exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que permita o seu amplo e detalhado conhecimento

2.2.3.2. Levantamento

2.2.3.2.1. Questionário, observação e entrevista

2.2.3.3. Bibliográfica

2.2.3.3.1. Base em material já elaborado

2.2.3.4. Documental

2.2.3.4.1. Materiais que não receberam tratamento analítico ou podem ser elaborados.

2.2.3.5. Estudo de campo

2.2.3.5.1. Questionário,formulário e observação

2.2.3.6. Ex-Post-Facto

2.2.3.6.1. Conhecer comportamentos, Interrogações

2.2.3.7. Experimental

2.2.3.7.1. Verificar a relação entre variáveis. Plano de pesquisa- manipulação de condições e observações dos efeitos produzidos

2.3. Dentro do Trabalho deve haver:

2.3.1. Introdução

2.3.1.1. Introdução

2.3.1.2. Definição do Tema

2.3.1.3. Formulação do Problema de Pesquisa

2.3.1.4. Definição de Objetivos - gerais e específicos

2.3.1.5. Justificativa (relevância)

2.3.1.6. Metodologia

2.3.2. Desenvolvimento

2.3.2.1. Fundamentação Teórica

2.3.2.2. Coleta de Dados

2.3.2.3. Análise e conclusão dos resultados

2.3.3. Conclusão

2.3.3.1. Conclusão dos resultados

2.4. Estrutura

2.4.1. Capa

2.4.2. Parte Interna

2.4.2.1. Elementos Pré Textuais

2.4.2.1.1. Folha de Rosto

2.4.2.1.2. Errata

2.4.2.1.3. Folha de Aprovação

2.4.2.1.4. Dedicatória

2.4.2.1.5. Agradecimentos

2.4.2.1.6. Epígrafe

2.4.2.1.7. Resumo na Língua Vernácula e Estrangeira

2.4.2.1.8. Lista de Ilustrações e Tabelas

2.4.2.1.9. Lista de Abreviaturas e Siglas

2.4.2.1.10. Sumário

2.4.2.1.11. Capa

2.4.2.2. Elementos Textuais

2.4.2.2.1. Introdução

2.4.2.2.2. Desenvolvimento

2.4.2.2.3. Conclusão

2.4.2.3. Elementos Pós-Textuais

2.4.2.3.1. Referências Bibliográficas

2.4.2.3.2. Glossário

2.4.2.3.3. Apêndices/anexos

2.5. Artigo Científico

2.5.1. Tipos

2.5.1.1. Original

2.5.1.1.1. relatadas as ex­periências de pesquisa, estudos de caso e outros tipos de informações recentes

2.5.1.2. De revisão

2.5.1.2.1. compila informações publicadas recentemente por cientistas de uma determinada área do conhecimento sobre um assunto qualquer.

2.5.2. Estrutura

2.5.2.1. Pré-Textual

2.5.2.1.1. Título e Subtitulo

2.5.2.1.2. Nome dos autores

2.5.2.1.3. Resumo na lingua vernácula + palavras chave

2.5.2.2. Textual

2.5.2.2.1. Introdução

2.5.2.2.2. Desenvolvimento

2.5.2.2.3. Conclusão

2.5.2.3. Pós-Textual

2.5.2.3.1. Título e Subtítulo em lingua estrangeira

2.5.2.3.2. Nome dos autores

2.5.2.3.3. Resumo em língua estrangeira + keywords

2.5.2.3.4. Notas explicativas

2.5.2.3.5. Glossário

2.5.2.3.6. Referências

2.5.2.3.7. Anexos/Apêndice

3. Unidade 3 - Método

3.1. Amostra

3.1.1. amostra é um dado ou conjunto de dados que comprovem (ou não) a hipótese da pesquisa. A amostra é o seu objeto de estudo, que será utilizado para comprovar as ideias e fundamentar o trabalho.

3.2. Plágio

3.2.1. Plágio Direto

3.2.1.1. Cópia literal

3.2.2. Plágio Indireto

3.2.2.1. Paráfrase sem referência

3.2.3. Plágio de Fontes

3.2.3.1. Citação de outros trabalhos, sem colocar a fonte. Ou seja, sem o termo "apud"

3.2.4. Plágio Consentido (Concluio)

3.2.4.1. Apresentação de trabalhos feitos por colegas ou comprados - "inclusão de autoria"

3.2.5. Autoplágio

3.2.5.1. Mesmo trabalho entregue em diferentes disciplinas, sem aviso. Também ocorre quando o pesquisador usa um trabalho já publicado, ou parte dele, para apresentar um novo trabalho em outra revista.

3.2.6. Empréstimo de Hipóteses

3.2.6.1. Cópia de hipóteses previamente apresentadas

3.3. Erro ou Fraude

3.3.1. Pesquisador apresenta dados incorretos, sem consciência = erro. Quando há a consciência, ou seja, manipulação dos dados, o pesquisador está cometendo fraude. No caso da fraude, os propósitos da ciência são desviados para interesses pessoais ou de um grupo.

3.4. Forma de Obtenção de Dados

3.4.1. Coleta Bibliográfica

3.4.1.1. é caracterizada em trabalhos que utilizam este meio como principal ou único meio de coleta. É o caso de trabalhos de revisão. Deve ser priorizados trabalhos de primeira mão (fontes primárias), contemplando apenas as referências sobre o tema em questão, sem se limitar às ideias dos livros técnico-científicos, privilegiando o uso de periódicos especializados.

3.4.2. Coleta Documental

3.4.2.1. dados são coletados a partir de documentos não publicados, que sejam de domínio de uma empresa ou instituição, como o caso de ONGs, coleções particulares, empresas privadas, instituições governamentais, institutos de pesquisas, entre outros. Este tipo de coleta é muito comum para algumas áreas de conhecimento, como a História

3.4.3. Questionário

3.4.3.1. É aplicado a um grupo de pessoas previamente definido e que fazem parte do estudo. As questões devem ir de encontro aos objetivos do projeto.

3.4.3.1.1. Questões Abertas

3.4.3.1.2. Questões Fechadas

3.4.3.1.3. Questões Relacionadas (Depende da anterios)

3.4.3.2. Organização de Dados

3.4.3.2.1. Amostragem casual ou aleatória simples - sorteio dos dados que serão utilizados no projeto

3.4.3.2.2. Amostragem probabilística - possibilidade de todos os dados serem utilizados no projeto ou a escolha é aleatória

3.4.3.2.3. Amostragem sistemática -participantes são organizados em subgrupos

3.4.3.2.4. Amostra proporcional estratificada - é definido por variáveis

3.4.4. Entrevista

3.4.4.1. obter a opinião sobre algum determinado assunto

3.4.4.2. Estruturada: com perguntas definidas

3.4.4.3. Semiestruturada: Pesquisador pode intervir durante

3.4.4.4. Informal: Pesquisador conhece pouco sobre o assunto

3.4.4.5. Por pauta: poucas perguntas, usadas para ordenamento conceitual

3.4.5. Observação

3.4.5.1. Usada quando há a necessidade de aprofundamento em certa área

3.4.5.2. Estruturada

3.4.5.2.1. Observação científica planejada, estruturada previamente

3.4.5.3. Não Estruturada

3.4.5.3.1. A ordem de coleta de dados não interfere

3.4.5.4. Sistemática

3.4.5.4.1. observação e descrição de fenômenos, categorias e variáveis são previamente definidas

3.4.5.5. Simples

3.4.5.5.1. observação espontânea, coleta todos os dados observados

3.4.5.6. Participante

3.4.5.6.1. o pesquisador mantém contato direto com o grupo e faz parte do grupo

3.4.5.7. Não Participante

3.4.5.7.1. não é ativo no grupo observado, muitas vezes o grupo não sabe que está sendo observado

3.5. Análise de Dados

3.5.1. Premissas

3.5.1.1. Transformar os dados em conclusões úteis e de credibilidade

3.5.1.2. Estabelecer tópicos estruturados, processando os dados e procurando tendências, diferenças e variações na informação obtida;

3.5.1.3. Contrapor ou validar as informações previamente estabelecidas

3.5.1.4. Descrever como processos, técnicas e ferramentas são baseados em certos pressupostos e investigar suas limitações.

3.5.2. Enfoque

3.5.2.1. Análise de Conteúdo

3.5.2.1.1. Técnicas de análise das comunicações, que tem por objetivo fundamentar a leitura e ultrapassar as incertezas, buscando informações nem sem­pre aparentes e tirando desses conteúdos uma mensagem que possa ser discutida junto ao leitor.

3.5.2.2. Estatística Descritiva Univariada

3.5.2.2.1. Descrição e análise sem inferências ou conclu­sões. Essas técnicas são utilizadas quando há uma única medida de cada elemento na amostra ou quando cada elemento e cada variável são estudados isoladamente. Logo, o objetivo é representar, de forma concisa, sintética e compreensível, a informação contida num conjunto de dados. Se o volume de dados for grande, é preciso estabelecer os dados em recursos como tabelas e gráficos ou, ainda, estabelecer medidas ou indicadores que represen­tam a informação.

3.5.2.3. Estatística Univariada

3.5.2.3.1. conjunto de métodos estatísticos utilizados em situações em que há diversas variáveis medidas simultaneamente. Essas variáveis geralmente são correlacionadas, e, quanto maior o número de variáveis, mais comple­xa se torna a análise estatística univariada. De forma geral, essa técnica serve para simplificar a compreensão dos dados, sistematizando as informações quando o número de variáveis envolvidas é muito grande.

3.5.3. Qualitativa é mais livre, quantitativa exige o uso da análise em função da hipótese

3.5.3.1. Quantitativa: análise descritiva ou análise ligada às hipóteses

3.5.4. Estatística

3.5.4.1. usada para facilitar o processamento, a interpretação e a apresentação dos dados numéricos. Os dados interpretados são apresentados e analisados a partir de recursos gráficos, como tabelas, mapas mentais, gráficos e outros tipos de ilustração que facilitam a interpretação dos dados.

3.5.4.2. População ou Público Alvo: grupo específico de sujeitos ou fenômenos que se quer estudar com características em comum.

3.5.4.3. Amostra: subconjunto de indivíduos da população-alvo. Para que as generalizações sejam válidas, as características da amostra devem ser as mesmas da população.

3.5.4.4. Dados: são as informações obtidas pela amostra.

3.5.4.5. Inferência: trata-se da previsão da quantidade ainda desconhecida da pesquisa.

3.5.4.6. Variáveis: são as características de uma população. São divididas em dois tipos, as dependentes (cujos efeitos são esperados de acordo com as causas) e as independentes (cujos efeitos queremos medir, ou seja, as que são assinaladas às “causas” do fenômeno que se quer estudar). Elas variam também conforme o enfoque da pesquisa

3.5.4.7. Distribuição de frequência: refere-se à representação do conjunto de dados, ou seja, quando os dados estão organizados em grupos ou categorias.

3.5.4.8. Probabilidade: são os dados que usamos quando determinamos resultados possíveis.

3.5.4.9. Hipótese

4. Unidade 4 - Apresesentação de Resultados

4.1. Tabelas

4.1.1. apontam as informações em evidência,Proporciona ao leitor uma visão mais rápida dos dados. Os gráficos devem ser autoexplicativos e de fácil compreensão. Devem atender a três requesitos: simplicidade, clareza e veracidade.

4.1.2. Elementos básicos da tabela: número da tabela; título da tabela; coluna indicatória; cabeçalho; campos da tabela; rodapé.

4.2. Gráficos

4.2.1. apontam as informações em evidência, Proporciona ao leitor uma visão mais rápida dos dados. Os gráficos devem ser autoexplicativos e de fácil compreensão. Devem atender a três requesitos: simplicidade, clareza e veracidade.

4.2.2. Elementos básicos do gráfico: título (acima do gráfico) e escala (crescente da esquerda para direita e de baixo para cima – eixos cartesianos).

5. Abordagem

5.1. Qualitativa

5.1.1. • Interpretar os fenômenos sob vários aspectos. • Triangulação dos dados.

5.2. Quantitativa

5.2.1. Traduz em números as informações para classificar-las e analisa-los.