(IN)FAMILIARIDADES E LETRAMENTO DECOLONIZANTE NOS DIZERES E PRÁTICAS DE PROFESSORES INDÍGENAS DE...

Pesquisa bibliográfica

Lancez-Vous. C'est gratuit
ou s'inscrire avec votre adresse e-mail
(IN)FAMILIARIDADES E LETRAMENTO DECOLONIZANTE NOS DIZERES E PRÁTICAS DE PROFESSORES INDÍGENAS DE LÍNGUAS MATERNAS E ESTRANGEIRAS par Mind Map: (IN)FAMILIARIDADES E LETRAMENTO DECOLONIZANTE NOS DIZERES E  PRÁTICAS DE PROFESSORES INDÍGENAS DE LÍNGUAS MATERNAS E  ESTRANGEIRAS

1. OBJETIVOS

1.1. O objetivo geral da pesquisa é analisar nos dizeres e práticas dos professores participantes representações e afetos em relação às línguas ensinadas por eles(as) (línguas ancestrais indígenas, língua portuguesa e/ou outra língua estrangeira, como a língua espanhola ou a língua inglesa), como tais línguas são vistas (se são recebidas como línguas estrangeiras, línguas adicionais ou línguas maternas, por exemplo, e se são definidas por oposição às demais) e os efeitos disso nas práticas pedagógicas dos professores, levando em conta os contextos indígenas em que lecionam.

2. Estudos Culturais

2.1. BHABHA, Homi K. O local da cultura. 2ª ed. Tradução Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. 4ª Ed. Tradução Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa; tradução da introdução Gênese Andrade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015. SOUSA SANTOS, Boaventura de (Org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

3. Letramentos sociais e linguística aplicada

3.1. CANAGARAJAH, A. Suresh. Translingual practice: global Englishes and cosmopolitan relations. Abingdon: Routledge, 2013. CANDAU, Vera Maria Ferrão; OLIVEIRA, Luiz Fernandes de. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 01, abr. 2010. p. 15-40. CAVALCANTI, Marilda C. Um olhar metateórico e metametodológico em pesquisa em linguística aplicada: implicações éticas e políticas. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 233-252. KUMARAVADIVELU, B. The Decolonial Option in English Teaching: Can the Subaltern Act? Tesol Quarterly, Vol. 50, n.1, mar. 2016. Disponível em: <http://www.bkumaravadivelu.com/articles%20in%20pdfs/Kumaravadivelu%202016.ppd> STREET, Brian. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

4. Teoria e metodologia psicanalítica aplicada à educação

4.1. AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998. CORACINI, Maria José. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2007. FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Tradução Renato Zwick. Porto Alegre: L&PM, 2014. FREUD, Sigmund. O Infamiliar (Das Unheimliche). Tradução Ernani Chaves e Pedro Heliodoro Tavares. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019. PEREIRA, Marcelo Ricardo. O relacional e seu avesso na ação do bom professor. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira (Org.). A psicanálise escuta a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. p. 151-194. PEREIRA, Marcelo Ricardo. O nome atual do mal-estar docente. Belo Horizonte: Fino Traço, 2016.RAVANELLO, Tiago. Elementos para uma abordagem discursiva do afeto: estudo de interface entre psicanálise e semiótica tensiva. 2009. 213f. (Doutorado em Teoria Psicanalítica), Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009.

5. Documentos parametrizadores