Iniziamo. È gratuito!
o registrati con il tuo indirizzo email
Quimioterapia da Mind Map: Quimioterapia

1. Definições

1.1. Quimioterapia x Quimioterapia Antineoplásica

1.1.1. Quimioterapia Antineoplásica: tratamento do câncer utilizando reagentes químicos.

1.1.2. Quimioterapia: qualquer tratamento de patologias por meio de reagentes químicos.

2. Classificação dos agentes antineoplásicos e onde agem

2.1. Agentes Antimetabólicos

2.1.1. bloqueiam a produção de enzimas necessárias para a síntese de substâncias essenciais para a célula, ou incorporam-se no DNA (fase S - mitose) ou RNA.

2.2. Antibióticos Antitumoriais

2.2.1. são estabelecidos através da fermentação fúngica, interferem na síntese de dos ácidos nucleícos, impedindo a duplicação e a separação das cadeias de DNA e RNA.

2.3. Agentes Alquilantes

2.3.1. causam alteração na cadeia do DNA para que impeça a sua replicação; age em qualquer fase mitótica.

2.4. Agentes Nitrosuréiais

2.4.1. são similares aos agentes alquilantes; são capazes de atingir tanto células ativas como células em repouso.

2.5. Agentes Alcalóides de Vinca

2.5.1. inibidores mitóticos, isto é atuam na fase de mitose das células, impedindo a formação dos microtúbulos.

2.6. Agentes Miscelânia

2.6.1. possuem alto grau de variedade com relação ao seus mecanismos, características e toxidade. Geralmente desconhecidos.

2.7. Medicamentos hormonais - deter o crescimento do tumor

2.7.1. adição de hormônios

2.7.1.1. estrogênios, antiestrogênios, progestágenos, anfrogênios, corticosteróides e agentes antiadrenais

2.7.2. administração de agentes antihormonais

2.7.3. cirurgia - remoção de glândula que da suporte hormonal ao tumor

2.7.4. podem atuar em etapas específicas do ciclo celular - em determinada fase (mitose ou de síntese) --> Há necessidade de uma alta taxa de crescimento do tumor, para que esses agentes possam ser utilizados.

2.7.5. também podem atuar de maneira não específica, atingindo as células independentemente da fase em que se encontram.

3. Tipos e finalidades da quimioterapia

3.1. Adjuvante

3.1.1. é aplicada quando houve retirada do tumor cirurgicamente, sendo que não há presença ide metástases detectáveis.

3.2. Neoadjuvante

3.2.1. é aplicada anteriormente à cirurgia de retirada do tumor, com o intuito de facilitá-la, reduzindo o seu tamanho e os riscos de metástases.

3.3. Curativa

3.3.1. finalidade de cura, o próprio nome se explica.

3.4. Paliativa

3.4.1. é aplicada com o objetivo de controlar os sintomas e buscar a melhoria da qualidade de vida do paciente. É indicada em casos com alto grau de especifidade.

3.4.1.1. aplicações: podem ser sistêmicas (endovenosamente) ou regional (dentro de fluidos orgânicos específicos).

3.5. Altas doses

3.5.1. habitualmente aplicada logo no início da doença, com altas doses (como diz o nome).

3.6. Poliquimioterapia (Bonassa)

3.6.1. tem como função desacelerar o mecanismo de resistência do tumor, dessa forma, podendo conter as diversas mutações que ocorrem nas células cancerígenas com grande frequência. E com essa técnica passa a ser empregado doses menores das drogas. Porém possui alto grau de toxidade.

4. Toxidade dos quimioterápicos - efeitos colaterais

4.1. ocorre devido a não especificidade do tipo de células que os quimioterápicos devem inibir; podem ser classificados como imediatos, precoces, retardados ou tardios (de acordo com o tempo que levam a aparecer a partir do inicio do tratamento da doença).

4.1.1. Neurotoxidade

4.1.1.1. É observada principalmente nos casos em que os pacientes fazem usos de drogas (asparaginase e alcalóides da vinca) diferentes para tratar da doença. Podem ocorrer alterações em regiões centrais e periféricas.

4.1.2. Pulmonar

4.1.2.1. as lesões pulmonares causadas por esse tipo de toxidade podem ser associadas também aos seguintes fatores: radioterapia torácica, doença pulmonar anterior ao tumor, idade, tabagismo, metástase pulmonar e insuficiência renal/hepática.

4.1.3. Cardiotoxidade

4.1.3.1. é relacionada especificamente à duas drogas: doxorrubicina e a danorrubicina. É percebida por meio de alterações eletrocardiográficas (quando imediata ou precoce), em situações mais agravantes, há insuficiência e falência cardíaca.

4.1.4. Hematológica

4.1.4.1. é causada pela dose limitante da quimioterapia, tem como consequência imediata a perda da funcionalidade da medula óssea, podendo causar leucopenia, trombocitopenia e anemia. Para diminuir esse efeito colateral, os médicos fazem uso do "nadir", que é uma forma de controlar a quantidade de cada droga de acordo com o medicamento e o paciente.

4.1.5. Gastrintestional

4.1.5.1. apresenta sintomas como náusea e vômitos, podendo causar: mucosite, anorexia, diarréia e constipação intestinal.

4.1.6. Hepatotoxidade

4.1.6.1. se dá ao uso excessivo de quimioterápico em graus variados, podendo causar elevações de enzimas hepáticas, cirrose e fibrose hepática. As drogas que causam esse tipo de toxidade são: methotrexato e mercaptopurina.

4.1.7. Dermatológica

4.1.7.1. pode ser local ou sistêmica, devido a rápida proliferação celular que há na pele. São sintomas: formação eritomatosa e urticária, hiperpigmentação dérmica, fotossensibilidade, recidiva reação cutânea pós radioterapia e alopecia.

4.1.7.1.1. sao classificados por irritantes (reação cutânea local da aplicação da droga durante o tratamento) ou vesicantes (irritação severa nos tecidos acompanhada de formação de vesículas, destruição e necrose).

4.1.8. Vesical e renal

4.1.8.1. ocorre devido a liberação dos metabólicos das drogas e dos restos do tumor, que ;e feito via aparelho urológico. As lesões renais que podem ocorrer são: necrose tubular, pielonefrite e disfunção glomerular (que podem gerar casos graves de insuficiência renal aguda), irritação e descamação do tecido do revestimento da bexiga (podendo causar cistite hemorrágica aguda).

4.1.9. Alteração metabólica

4.1.9.1. tem como sintomas: diarreia, vômitos, disfunção renal e hepática. Podem ocorrer: hipomagnesemia, hiponatremia, hipercalcemia, hiperuricemia.

4.1.10. Reações alérgicas ou Anafilaxia

4.1.10.1. se dão por causa de uma combinação do antígeno com um anticorpo citofílico. podem ser locais (emitem, urticária, queimação) ou sistêmicas (urticária, agitação, náusea, hipotensão, desconforto repiratório, edema facial, cólica abdominal, pruido, eritema cutâneo, tontura, tremores, constrição do tórax/laringe e cianose).

4.1.11. Disfunção reprodutiva

4.1.11.1. relacionas à fertilidade e função sexual. Variam pela droga que foi utilizada no tratamento, sexo, idade e duração do tratamento. Os danos podem ser reversíveis quando imediatos ou precoces e, irreversíveis quando retardados ou tardios. Pode gerar: supressão gonadal, diminuição da libido, irregularidade do ciclo menstrual e amenorréia. O tratamento durante a gravidez pode causar: abortos e malformações fetais.

5. Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer

5.1. asparaginase

5.2. alcalóides de vinca

5.3. doxorrubicina

5.4. danorrubicina

5.5. methoterexato

5.6. mercaptopurina

6. Atuação nas células para tratamento de câncer, a fim de que atue no processo de divisão celular.

7. Resposta ao tratamento quimioterápico

7.1. Remissão completa

7.1.1. quando o tumor foi eliminado e não há mais sinais da doença.

7.2. Remissão parcial

7.2.1. quando cerca de metade do tumor foi retirado.

7.3. Melhora

7.3.1. quando cerca de um quarto do tumor foi retirado.

7.4. Sem respostas

7.4.1. não ocorre melhora nenhuma do paciente em relação à doença

7.5. Progressão

7.5.1. houve a retirada de um primeiro tumor, mas após a sua retirada outro apareceu ou houve metástase.