PSICODIAGNÓSTICO

Laten we beginnen. Het is Gratis
of registreren met je e-mailadres
PSICODIAGNÓSTICO Door Mind Map: PSICODIAGNÓSTICO

1. O que é?

1.1. Psicodiagnóstico é um processo científico, limitado no tempo, que utiliza técnicas e testes psicológicos (input), em nível individual ou não, seja para entender problemas à luz de pressupostos teóricos, identificar e avaliar aspectos específicos, seja para classificar o caso e prever seu curso possível, comunicando os resultados (output), na base dos quais são propostas soluções, se for o caso.

2. Quais seus objetivos?

2.1. Pode ter um ou mais objetivos. Relacionam-se essencialmente com as questões propostas e com as necessidades da fonte de solicitação e “determinam o nível de inferências que deve ser alcançado na comunicação com o receptor”.

2.1.1. a) Classificação Simples:

2.1.1.1. O exame compara a amostra do comportamento do examinando com os resultados de outros simples sujeitos da população geral ou de grupos específicos, com condições demográficas equivalentes; esses resultados são fornecidos em dados quantitativos, classificados sumariamente, como em uma avaliação de nível intelectual.

2.1.2. b) Descrição:

2.1.2.1. Ultrapassa a classificação simples, interpretando diferenças de escores, identificando forças e fraquezas e descrevendo o desempenho do paciente, como em uma avaliação de déficits neuropsicológicos.

2.1.3. c) Classificação Nosológica:

2.1.3.1. Hipóteses iniciais são testadas, tomando como referência critérios diagnósticos.

2.1.4. d) Diagnóstico Diferencial:

2.1.4.1. São investigadas irregularidades ou inconsistências do quadro sintomático, para diferenciar alternativas diagnósticas, níveis de funcionamento ou a natureza da patologia

2.1.5. e) Avaliação Compreensiva:

2.1.5.1. É determinado o nível de funcionamento da personalidade, são examinadas as funções do ego, em especial a de insight, condições do sistema de defesas, para facilitar a indicação de recursos terapêuticos e prever a possível resposta aos mesmos.

2.1.6. f) Entendimento Dinâmico:

2.1.6.1. Ultrapassa o objetivo anterior, por pressupor um nível mais elevado de inferência clínica, havendo uma integração de dados com base teórica. Permite chegar a explicações de aspectos comportamentais nem sempre acessíveis na entrevista, à antecipação de fontes de dificuldades na terapia e à definição de focos terapêuticos, etc.

2.1.7. g) Prevenção:

2.1.7.1. Procura identificar problemas precocemente, avaliar riscos, fazer uma estimativa de forças e fraquezas do ego, de sua capacidade para enfrentar situações novas, difíceis, estressantes.

2.1.8. h) Prognóstico:

2.1.8.1. Determina o curso provável do caso.

2.1.9. i) Perícia Forense:

2.1.9.1. Fornece subsídios para questões relacionadas com “insanidade”, competência para o exercício das funções de cidadão, avaliação de incapacidades ou patologias que podem se associar com infrações da lei, etc.

3. Quem é o responsável por realizá-lo?

3.1. O Psicodiagnóstico pode ser realizado:

3.1.1. a) pelo psicólogo, pelo psiquiatra (e, eventualmente, pelo neurologista ou psicanalista), com vários objetivos (exceto o de classificação simples), desde que seja utilizado o modelo médico apenas, no exame de funções, identificação de patologias, sem uso de testes e técnicas privativas do psicólogo clínico;

3.1.2. b) pelo psicólogo clínico exclusivamente, para a consecução de qualquer ou vários dos objetivos, quando é utilizado o modelo psicológico (psicodiagnóstico), incluindo técnicas e testes privativos desse profissional;

3.1.3. c) por equipe multiprofissional (psicólogo, psiquiatra, neurologista, orientador educacional, assistente social ou outro), para a consecução dos objetivos citados e, eventualmente, de outros, desde que cada profissional utilize o seu modelo próprio, em avaliação mais complexa e inclusiva, em que é necessário integrar dados muito interdependentes (de natureza psicológica, médica, social, etc.).

4. Em termos de operacionalização, devem ser considerados os comportamentos específicos do psicólogo e os passos para a realização do diagnóstico com um modelo psicológico de natureza clínica.

5. Comportamentos Específicos

5.1. Os comportamentos específicos do psicólogo podem ser assim relacionados, embora possam variar na sua especificidade e na sua seriação, conforme os objetivos do psicodiagnóstico:

5.1.1. a) determinar motivos do encaminhamento, queixas e outros problemas iniciais;

5.1.2. b) levantar dados de natureza psicológica, social, médica, profissional e/ou escolar, etc. sobre o sujeito e pessoas significativas, solicitando eventualmente informações de fontes complementares;

5.1.3. c) colher dados sobre a história clínica e história pessoal, procurando reconhecer denominadores comuns com a situação atual, do ponto de vista psicopatológico e dinâmico;

5.1.4. d) realizar o exame do estado mental do paciente (exame subjetivo), eventualmente complementado por outras fontes (exame objetivo);

5.1.5. e) levantar hipóteses iniciais e definir os objetivos do exame;

5.1.6. f) estabelecer um plano de avaliação;

5.1.7. g) estabelecer um contrato de trabalho com o sujeito ou responsável;

5.1.8. h) administrar testes e outros instrumentos psicológicos;

5.1.9. i) levantar dados quantitativos e qualitativos;

5.1.10. j) selecionar, organizar e integrar todos os dados significativos para os objetivos do exame, conforme o nível de inferência previsto, com os dados da história e características das circunstâncias atuais de vida do examinando;

5.1.11. l) comunicar resultados (entrevista devolutiva, relatório, laudo, parecer e outros informes), propondo soluções, se for o caso, em benefício do examinando;

5.1.12. m) encerrar o processo.

6. Quais os passos do diagnóstico? (Modelo psicológico de natureza clínica)

6.1. a) levantamento de perguntas relacionadas com os motivos da consulta e definição das hipóteses iniciais e dos objetivos do exame;

6.2. b) planejamento, seleção e utilização de instrumentos de exame psicológico;

6.3. c) levantamento quantitativo e qualitativo dos dados;

6.4. d) integração de dados e informações e formulação de inferências pela integração dos dados, tendo como pontos de referência as hipóteses iniciais e os objetivos do exame;

6.5. e) comunicação de resultados, orientação sobre o caso e encerramento do processo.