WALLON E A EDUCAÇÃO: uma visão integradora de professor e aluno

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
WALLON E A EDUCAÇÃO: uma visão integradora de professor e aluno por Mind Map: WALLON E A EDUCAÇÃO: uma visão  integradora de professor e aluno

1. É possível afirmar que, não só a criança, mas também os adultos, se vêem às voltas com a questão de estabelecer os limites entre o Eu e o Outro, o que pode gerar uma tensão inter e intrapessoal, uma vez que os conflitos acontecem e se expressam, não só nas relações entre as pessoas, mas também no interior de cada uma delas.

2. Wallon propõe a superação de uma visão de homem dicotomizada, razão/ emoção, permitindo-nos reconhecer a função integradora dos sujeitos envolvidos no processo ensino-aprendizagem.

2.1. FUNÇÃO INTEGRATIVA

3. Desenvolvimento dos seres humanos

3.1. para a compreensão do desenvolvimento dos seres humanos, oferece conceitos e princípios relevantes para o entendimento da totalidade da pessoa e do papel dos professores em sala de aula.

4. Papel dos professores em sala de aula-TOTALIDADE

4.1. Ao considerar o indivíduo na sua totalidade, isto é, considerar igualmente os aspectos afetivo, cognitivo e motor na constituição do indivíduo,

5. Psicologia/Educação

5.1. É uma teoria atual, na medida em que valoriza o indivíduo, a educação, o professor, a cultura e as relações sociais na formação do aluno, com destaque para a formação de valores morais e coletivos a serem desenvolvidos pela escola.

5.2. Enfoque interacionista

5.3. Orgânico e social

5.3.1. processo constante e nunca acabado

5.3.1.1. crises e conflitos

6. A psicogenética walloniana

6.1. a teoria walloniana apresenta enfoque interacionista, ou seja, todos os aspectos do desenvolvimento são decorrentes da interação de fatores orgânicos e sociais, e é nessa interação que o indivíduo se constitui.

6.1.1. Por outro lado, os meios social e físico impõem exigências a que o indivíduo necessita corresponder para garantir sua sobrevivência e sua adaptação a ele. Os meios físico e social, concomitantemente, também oferecem recursos para que essa adaptação aconteça,

6.2. estágios

6.2.1. l

6.2.1.1. A lei da alternância funcional,

6.2.1.1.1. integração funcional”:

6.2.1.2. alternância na direção que as formas de atividades tomam na sucessão dos estágios: em alguns momentos o movimento do desenvolvimento se dá rumo ao conhecimento de si (centrípeto) e, em outros, para o conhecimento do mundo exterior (centrífugo).

7. A importante relação Eu-Outro

7.1. Interligados/PROFESSOR/ALUNO

7.2. Ao Outro internalizado Wallon dá o nome de “[...] sócius”, referindo-se ao outro íntimo, que mantém com o Eu, um diálogo interno, uma mediação com o mundo externo.

8. O Outro na constituição da pessoa do professor

8.1. sempre em alteração, na interação com o Outro.

8.1.1. processo. O Outro- aluno, talvez o principal, para que ocorra o processo ensino-aprendizagem, é quem reconhecerá ou não a autoridade do professor, quem o classificará como bom ou mau, mediante critérios que julgar fundamentais e que, também são apontados por Cunha (2002) , como sendo o domínio do conteúdo, o exercício da afetividade, o bom humor, etc.

9. Wallon e a Pedagogia

9.1. democratização do ensino, a transmissão de valores como a justiça, por exemplo, que “serve o interesse coletivo ao mesmo tempo em que o bem-estar individual”. (MERANI, 1977, p. 178).

9.1.1. Wallon, a função da escola é promover o desenvolvimento do aluno trabalhando com qualidade e competência, por meio de um ensino democrático que dê oportunidades iguais a todos, valendo-se, para isso, de estratégias diferenciadas, fornecendo-lhes formação integral.

10. A integração entre os domínios na ação do professor

10.1. São os sentimentos dos professores que impulsionam suas buscas, assim como a importância que atribuem aos alunos é que os move a buscar novas estratégias de ensino.

10.1.1. O professor deve dar o exemplo de corticalização, sensibilizar-se com o comportamento do seu aluno e, ao mesmo tempo, racionalizar as emoções em prol dos conteúdos a serem trabalhados.

10.2. O cognitivo do professor é constantemente provocado, pois ele tem que elaborar seu pensamento de modo a estimular o pensamento

10.2.1. É o motor que coloca a pessoa na situação concreta do momento presente, que oferece a estrutura para que as emoções e os sentimentos sejam expressos, que une os indivíduos entre si e que se torna recurso privilegiado para a construção do conhecimento.

10.2.1.1. O desenvolvimento nunca termina; pelo contrário, a aprendizagem faz com que se aprimorem as diferenças, refina o olhar, sempre levando a desenvolver a unidade