AVALIAÇÃO DE INTERFACES

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
AVALIAÇÃO DE INTERFACES por Mind Map: AVALIAÇÃO DE INTERFACES

1. Diferentes tipos de Avaliação são necessários em diferentes momentos do desenvolvimento.

2. Tipos da Avaliação

2.1. inspeção de usabilidade

2.1.1. Conceito

2.1.1.1. Avaliações que verifiquem a funcionalidade da interface.

2.1.2. Objetivos

2.1.2.1. Encontrar Problemas de Usabilidade em uma interface e com base nesses problemas fazer recomendações para não cometer mais esses erros e melhorar a usabilidade da interface

2.1.3. Tipos ou Métodos

2.1.3.1. Avaliação Heuristica

2.1.3.1.1. Consiste na Análise através de regras, premissas sobre a usabilidade, denominadas heurísticas

2.1.3.1.2. Graus de Severidade

2.1.3.2. Revisão de Guidelines

2.1.3.2.1. A interface é analisada no sentido de verificar se está de acordo com uma lista de guidelines de usabilidade. Geralmente essa lista contém uma seqüência de cerca de 1.000 guidelines, o que torna o uso desse método muito raro dada a expertise que é exigida de um revisor.

2.1.3.3. Inspeção de Consistência

2.1.3.3.1. O avaliador verifica a consistência dentro de uma família de interfaces, quanto à terminologia, cores, layout, formatos de entrada e saída, e tudo o mais dentro da interface. Também é avaliado o material online de treinamento e de ajuda .

2.1.3.4. Percurso Cognitivo

2.1.3.4.1. Percurso Cognitivo é uma análise de usabilidade criada com o objetivo de avaliar fluxos de navegação, o quão fácil é navegar por estes fluxos e o quão simples é aprender a usar uma interface.

2.2. Testes de Usabilidade

2.2.1. Conceito

2.2.1.1. Avaliação que verifiquem a experiência do usuário perante a interface.

2.2.2. Objetivos

2.2.2.1. Identificar os problemas na interação e na interface que possam dificultar a experiência do usuário durante o seu uso.

3. Objetivos

3.1. Funcionalidade

3.1.1. A funcionalidade do sistema é importante no sentido de estar adequada aos requisitos da tarefa do usuário, ou seja, o design do sistema deve permitir ao usuário efetuar a tarefa pretendida e de modo mais fácil e eficiente

3.2. Impacto do design junto ao usuário

3.2.1. Isso inclui considerar aspectos tais como: avaliar quão fácil é aprender a usar o sistema; a atitude do usuário com relação ao sistema; identificar áreas do design as quais sobrecarregam o usuário de alguma forma, por exemplo, exigindo que uma série de informações sejam relembradas; etc

3.3. Identificar problemas específicos com o design

3.3.1. identificar aspectos do design os quais quando usados no contexto alvo, causam resultados inesperados ou confusão entre os usuários. Isso é claro está correlacionado tanto com a funcionalidade quanto com a usabilidade do design.

4. Momentos de Avaliar

4.1. Formativa

4.1.1. Se faz enquanto esta desenvolvendo a interface

4.2. Somativa

4.2.1. após o término da interface.

5. Ciclo de vida: Avaliação

5.1. Implementação

5.2. Prototipação

5.3. Análise Funcional

5.4. Especificação de requisitos

5.5. Design

6. FUNDAMENTOS DE FATORES HUMANOS EM IHC

6.1. Introdução

6.1.1. Estudo da Interação Humano-Computador envolve conhecimento sobre o Humano por um lado, sobre a tecnologia por outro e sobre as maneiras como um influencia e é influenciado pelo outro

6.2. Sistema Perceptual

6.2.1. O Sistema Perceptual transporta sensações do mundo físico, detectadas por sistemas sensoriais do corpo e os transforma em representações internas.

6.2.1.1. Tp: Tempo de ciclo, ou tempo de resposta de sensações físicas

6.3. Sistema Cognitivo

6.3.1. Sistema Cognitivo (SC) serve meramente para conectar entradas do Sistema Perceptual para saídas corretas do Sistema Motor

6.3.1.1. MCD

6.3.1.1.1. usada para armazenar informação sob consideração no momento de determinada atividade

6.3.1.2. MLD

6.3.1.2.1. usada para armazenar informação a ser acessada em longo prazo.

6.3.1.2.2. Chunks

6.4. Sistema Motor

6.4.1. Após processamento perceptual e cognitivo, pensamento é finalmente traduzido em ação pela ativação de padrões de músculos voluntários que são arranjados em pares antagônicos disparados um após o outro em seqüência.

6.5. Resumo Geral de IHC ( Conceito e objetivos)

6.5.1. O IHC é o estudo da interação entre pessoas e computadores. É uma matéria interdisciplinar que relaciona a ciência da computação, artes, design, ergonomia, psicologia, sociologia, semiótica, linguística, e áreas afins. A interação entre humanos e máquinas acontece através da interface do utilizador, formada por software e hardware. Ela é utilizada, por exemplo, para algumas manipulações de periféricos de computadores e grandes máquinas como aviões e usinas hidrelétricas.

6.5.2. A tecnologia deve ser usada sempre para maximizar nossas habilidades, e o uso de computadores deve ser o mais simples, seguro e agradável possível. Criação de sistemas difíceis de usar pode inviabilizar o sucesso de softwares que poderiam ser bastante úteis.