Economia (1)

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Economia (1) por Mind Map: Economia (1)

1. 10 princípios

1.1. Enfrentar tradeoffs

1.2. Custo= O que você desiste para ter

1.3. Pensar na margem é ser racional

1.4. Incentivo é ação!

1.5. Comércio pode ser bom para todos

1.6. Mercados: uma boa forma de organizar a economia

1.7. Governos podem melhorar o comércio

1.8. Padrão de vida do país está logado à produtividade

1.9. Preços sobem com alta emissão de moedas

1.10. Entre inflação e desemprego a sociedade enfrenta curto tradeoff

2. Interdependência e ganhos comerciais

2.1. A produção depende de todos

2.2. Possibilidades de produção

2.2.1. Oportunidade

2.3. Especialização e comércio

2.3.1. Comércio expande junto com oportunidades de consumo

2.4. Vantagem comparativa

2.4.1. Especialização

2.4.2. Produzir um bem com menor custo

2.5. Vantagem absoluta

2.5.1. Menor insumos

2.6. Custo de oportunidade

2.6.1. Abrir mão para obter

2.7. Importações

2.7.1. Produzidos no exterior vendidos internamente

2.8. Exportações

2.8.1. Produzidos internamente e vendidos no exterior

3. As forças de mercado de oferta e da demanda

3.1. Mercado

3.1.1. Compradores e vendedores de um bem ou serviço

3.1.1.1. Perfeitamente competitivos

3.2. Competição

3.2.1. Mercado competitivo

3.2.1.1. Compradores e vendedores que não afetam significamente sobre o preço de mercado

3.3. Demanda

3.3.1. Quantidade de demanda

3.3.1.1. Quantidade que compradores desejam e podem comprar

3.3.2. Lei da demanda

3.3.2.1. Demanda diminui quando o preço aumenta

3.3.3. Escala de demanda

3.3.3.1. Relação do preço de um bem e a quantidade de demanda

3.3.4. Curva de demanda

3.3.4.1. Relação do preço e a quantidade de demanda

3.3.5. Bem

3.3.5.1. Normal

3.3.5.1.1. Um aumento de renda leva a um aumento de demanda

3.3.5.2. Inferior

3.3.5.2.1. Um aumento de renda leva a uma diminuição da demanda

3.3.5.3. Substitutos

3.3.5.3.1. Dois bens para os quais o aumento do preço de um leva a um aumento da demanda pelo outro

3.3.5.4. Complementares

3.3.5.4.1. Dois bens para os quais o aumento do preço de um leva a uma redução da demanda pelo outro

4. Oferta, demanda é políticas do governo

4.1. Controle de preços

4.1.1. Preço máximo

4.1.1.1. Limite máximo legal para o preço pelo qual um bem pode ser vendido

4.1.2. Preço mínimo

4.1.2.1. Um limite mínimo legal para o preço pelo qual um bem pode ser vendido

4.2. Impostos

4.2.1. Incidência tributária

4.2.1.1. A maneira como o ônus de um imposto é dividido entre os participantes de um mercado

5. Medindo a renda nacional

5.1. Microeconomia

5.1.1. O estudo de como as famílias é empresas tamam decisões e de como interagem nos mercados

5.2. Macroeconomia

5.2.1. O estudo de fenômenos que afetam a economia como um todo, incluindo inflação, desemprego e crescimento econômico

5.3. Produto interno bruto (PIB)

5.3.1. O valor de mercado de todos os bens pruzidos em um período

5.3.2. Componentes

5.3.2.1. Consumo (C)

5.3.2.1.1. As despesas das famílias em bens e serviços, excetuando-se a compra de imóveis residenciais novos

5.3.2.2. Investimento (I)

5.3.2.2.1. Os dispêndios em equipamento de capital, estoques e estruturas

5.3.2.3. Compras do governo (G)

5.3.2.3.1. Gastos em bens e serviços pelos governos municipais, estaduais e federal

5.3.2.4. Exportações líquidas (El)

5.3.2.4.1. Gastos com bens produzidos internamente por parte de estrangeiros (exportações) menos gastos com bens estrangeiros por parte de residentes internos (importações)

5.3.2.5. Y=C+I+G+EL

6. Medindo o custo de vida

6.1. Índice de preços ao consumidor (IPC)

6.1.1. Medida do custo total dos bens e serviços comprados por um consumidor típico

6.1.2. Núcleo do IPC

6.1.2.1. Uma medida do custo total dos bens de consumo e serviços, exceto alimentos e energia

6.2. Índice de preços ao produtor (IPP)

6.2.1. Uma medida do custo de uma cesta de bens e serviços comprados pelas empresas

6.3. Indexação

6.3.1. A correção automática, por força de lei ou de contrato, de uma quantia pela inflação

6.4. Taxa de juros

6.4.1. Nominal

6.4.1.1. A taxa de juros tal como normalmente cotada, sem a correção dos efeitos da inflação

6.4.2. Real

6.4.2.1. A taxa de juros após o desconto da taxa de inflação

6.4.3. Taxa de juros real = Taxa de juros nominal - Taxa de inflação

7. O sistema monetário

7.1. Moeda

7.1.1. O conjunto de ativos da economia que as pessoas usam regularmente para comprar bens e serviços de outras pessoas

7.1.2. Funções

7.1.2.1. Meio de troca

7.1.2.1.1. Algo que os compradores dão aos vendedores quando querem comprar bens e serviços

7.1.2.2. Unidade de conta

7.1.2.2.1. O padrão de medida que as pessoas usam para estabelecer preços e registrar dívidas

7.1.2.3. Reserva de valor

7.1.2.3.1. Algo que as pessoas podem usar para transferir poder de compra do presente para o futuro

7.1.2.4. Liquidez

7.1.2.4.1. A facilidade com que um ativo pode ser convertido em meio de troca da economia

7.1.3. Tipos

7.1.3.1. Moeda-mercadoria

7.1.3.1.1. Moeda que toma a forma de uma mercadoria com valor intrínseco

7.1.3.2. Moeda de curso forçado

7.1.3.2.1. Moeda sem valor intrínseco, que é usada como moeda por decreto governamental

7.1.3.3. Moeda corrente

7.1.3.3.1. As cédulas de papel e as moedas de metal em poder público

7.1.3.4. Depósitos à vista

7.1.3.4.1. Saldos em conta corrente aos quais os depositantes têm acesso mediante a emissão de um cheque

7.1.4. Multiplicador de moeda

7.1.4.1. A quantidade de moeda que o sistema bancário gera com cada dólar de suas reservas

7.1.5. Alavancagem

7.1.5.1. Uso do dinheiro emprestado para complementar fundos para fins de investimento

7.1.5.2. Grau de alavancagem

7.1.5.2.1. A razão dos ativos para o capital bancário

7.1.6. Exigência de capital

7.1.6.1. Um regulamento governamental que especifica um quantidade mínima de capital bancário

8. Crescimento da moeda e inflação

8.1. Teoria quantitativa da moeda

8.1.1. Teoria segundo a qual a quantidade de moeda disponível determina o nível de preços e a que taxa de crescimento na quantidade de moeda disponível determina a taxa de inflação

8.2. Variáveis

8.2.1. Nominais

8.2.1.1. Medidas em unidades monetárias

8.2.2. Reais

8.2.2.1. Medidas em unidades físicas

8.3. Dicotomia clássica

8.3.1. A separação teórica entre as variáveis

8.4. Neutralidade monetária

8.4.1. A proposição de que alterações na oferta de moeda não afetam as variáveis reais

8.5. Velocidade da moeda

8.5.1. A taxa pela qual a moeda troca de mãos

8.5.2. V=(P×Y)/M

8.6. Equação quantitativa

8.6.1. M×V=P×Y

8.6.1.1. Relaciona a quantidade de moeda,velocidade e valor em dólares da produção de bens e serviços

8.7. Imposto inflacionário

8.7.1. A receita arrecadada pelo governo por meio da criação de moeda

8.8. Efeito Fisher

8.8.1. O ajustamento na proporção de um para um da taxa de juros nominal à taxa de inflação

8.9. Custo de sola de sapato

8.9.1. Os recursos desperdiçados quando a inflação incentiva as pessoas a reduzir a quantidade de moeda mantida em mãos

8.10. Custos de menu

8.10.1. Custos da alteração de preços

9. Cálculo

9.1. Etapa 1

9.1.1. Pesquisar os consumidores para determinar uma cesta fixa de bens

9.2. Etapa 2

9.2.1. Coletar o preço de cada bem em cada ano

9.3. Etapa 3

9.3.1. Calcular o custo da cesta de bens a cada ano

9.4. Etapa 4

9.4.1. Escolher ano-base e calcular o índice de preços ao consumidor em cada ano

9.5. Etapa 5

9.5.1. Usar o índice de preços do consumidor para calcular a taxa de inflação do ano anterior

10. Federal Reserve (Fed)

10.1. Banco Central dos Estados Unidos

10.1.1. Controlar quantidade de moeda (oferta de moeda)

10.1.2. Oferta de moeda

10.1.2.1. Quantidade de moeda disponível na economia

10.1.3. Política monetária

10.1.3.1. O estabelecimento da oferta de moeda pelos formuladores de políticas do banco central

10.1.4. Capital bancário

10.1.4.1. Os recursos que os proprietários do banco colocam na instituição

10.1.5. Operações de mercado aberto

10.1.5.1. A compra e venda de títulos do governo norte-americano pelo Fed

10.1.6. Taxa de redesconto

10.1.6.1. A taxa de juros sobre os empréstimos que o Fed concede aos bancos

10.1.7. Taxa de fundos federais

10.1.7.1. A taxa de juros que os bancos cobram por empréstimos realizados à noite entre eles

10.2. Banco Central

10.2.1. Uma instituição planejada para supervisionar o sistema bancário e regular a quantidade de moeda na economia

10.2.2. Reserva

10.2.2.1. Depósitos recebidos pelos bancos, mas que não são emprestados

10.2.2.2. Sistema de reservas fracionárias

10.2.2.2.1. Os bancos mantêm apenas uma parte de seus depósitos como reserva

10.2.2.3. Razão de reserva

10.2.2.3.1. A fração dos depósitos que os bancos mantêm como reserva

10.2.2.4. Reservas exigidas

10.2.2.4.1. Regulamentação que diz respeito ao montante mínimo de reservas que os bancos devem manter sobre seus depósitos