A DIETA EQUILIBRADA DA ALFABETIZAÇÃO

Mapa Mental do Texto "A Dieta Equilibrada da Alfabetização". Produzido pelo acadêmico Guilherme Klemann, da Universidade da Região de Joinville.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
A DIETA EQUILIBRADA DA ALFABETIZAÇÃO por Mind Map: A DIETA EQUILIBRADA DA ALFABETIZAÇÃO

1. Avaliação

1.1. Avaliar a compreensão do aluno e fornecer feedback formativo regularmente é essencial para promover o crescimento e o aprendizado do aluno. A avaliação deve fornecer informações a serem usadas para ajudar a modificar o ensino e a aprendizagem.

1.1.1. "Com o tempo, os alunos avançam em seu aprendizado quando podem usar o conhecimento pessoal para construir significado, ter habilidades de auto-monitoramento para perceber que não entendem alguma coisa e ter maneiras de decidir o que fazer em seguida" (Lorna Earl)

1.1.2. O feedback eficaz, as técnicas de auto-monitoramento e a auto-avaliação do aluno afetam diretamente o progresso dos alunos. Quando os alunos sabem como melhorar, sua confiança aumenta e eles obtêm maior sucesso

1.1.3. A avaliação deve orientar o ensino e a aprendizagem dos alunos. Estabeleça metas com os alunos antes de iniciar uma tarefa para que eles entendam as expectativas

2. Dicas de Sala de Aula

2.1. Criar uma comunidade positiva na sala de aula inclui técnicas de gerenciamento eficazes, organização eficaz e maneiras de promover a responsabilidade do aluno.

2.1.1. "Desde o início do ano letivo, a maneira como uma sala de aula é gerenciada afetará o ensino que acontece ali" (Jessica Burkhalter).

2.1.2. Os alunos são motivados a aprender em um ambiente que promove a cooperação, a responsabilidade e o respeito um pelo outro.

3. Estruturas e Gêneros Textuais

3.1. Ensinar os alunos como os textos são estruturados e organizados e quais recursos aparecem em diferentes gêneros são essenciais para entender e comunicar idéias de maneira eficaz na leitura e na escrita.

3.1.1. "A prática de ler uma variedade de livros para crianças tem demonstrado apoiar a aquisição de conhecimento de gênero. À medida que o conhecimento sobre os gêneros cresce, aumenta também a capacidade das crianças de aplicar esse conhecimento à sua própria escrita" (David Coker)

3.1.2. Os alunos devem ser incentivados a escrever para propósitos autênticos e estruturas e gêneros devem ser ensinados para apoiar esses propósitos. Os professores também devem apontar as características dos textos para que os alunos possam reconhecê-los durante a leitura.

4. Processos e estratégias de escrita

4.1. Os professores precisam ajudar os alunos à medida que aprendem a manipular apenas algumas habilidades de escrita e, depois, lentamente, adicionam outras.

4.1.1. "O poder da escrita reside nas muitas maneiras em que pode ser usado. É essencial para o sucesso escolar e tornou-se cada vez mais um componente central da vida cotidiana nas sociedades industrializadas" (Steve Graham)

4.1.2. modelagem é uma ferramenta poderosa para ensinar a escrever. Ela permite que os alunos entrem na mente de um escritor, conhecendo os processos de pensamento. A modelagem pode ser usada para ensinar aspectos da escrita, como edição e escolha de palavras, ou para ensinar estratégias, como usar um organizador gráfico.

5. Estratégias de compreensão da leitura

5.1. Bons leitores tendem a usar uma série de estratégias durante a leitura, como fazer previsões antes da leitura, fazer conexões com experiências e conhecimentos pessoais e se envolver no automonitoramento (verificações contínuas da compreensão do texto).

5.1.1. "Estratégias de compreensão não são fins em si mesmas; eles são um meio de ajudar seus alunos a entender o que estão lendo" (Painel Nacional de Leitura)

5.1.2. Destaque a necessidade de os alunos participarem ativamente do processo de leitura. Os professores podem explicar estratégias-chave e modelar os tipos de ações que os alunos podem realizar antes, durante e depois da leitura.

6. Fluência e Expressão

6.1. Os leitores fluentes reconhecem as palavras rapidamente e leem com bom ritmo e expressão. Eles não precisam se concentrar em descobrir cada palavra e podem concentrar sua atenção no que o texto significa.

6.1.1. "Um leitor iniciante deve vincular letras a sons, prestar atenção aos padrões ortográficos e descobrir como esses padrões funcionam. O processo é lento e analítico no início" (J. Richard Gentry)

6.1.2. É importante que os alunos tenham muitas oportunidades de ler em voz alta para adultos e colegas. Atividades que incentivam os alunos a reler textos, como o teatro lido, desenvolvem fluência na leitura.

7. Vocabulário

7.1. Os alunos precisam desenvolver seu vocabulário de fala e audição. A primeira se refere às palavras que um aluno pode usar ao falar e a segunda às palavras faladas que um aluno pode entender.

7.1.1. "O texto escrito exige muito do conhecimento do vocabulário... Aprender novos conceitos e as palavras que os codificam é essencial para o desenvolvimento da compreensão" (Catherine E. Snow, Susan Burns e Peg Griffin).

7.1.2. Ofereça aos alunos a oportunidade de aprender indiretamente novos significados de palavras, como conversas e leituras compartilhadas de livros de histórias, ensinar explicitamente significados de palavras e ensinar estratégias eficazes de aprendizado de palavras.

8. Ortografia e estudo das palavras

8.1. Para garantir que os alunos vão além de simplesmente memorizar a grafia das palavras, os professores podem desenvolver o conhecimento dos alunos sobre os padrões e estratégias de ortografia em inglês.

8.1.1. "Aos seis anos de idade, a maioria das crianças já possui cerca de 6.000 palavras no vocabulário de escuta e fala. Com os phonics, eles aprendem a ler e escrever essas e mais palavras em um ritmo mais rápido do que fariam sem eles" (Jeanne Chall).

8.1.2. Os professores podem ajudar os alunos a se tornarem especialistas em ortografia, ensinando sistematicamente análises de palavras e estratégias de ortografia. Isso inclui o ensino de padrões de ortografia e estratégias de ortografia, como identificar prefixos e sufixos.

9. Sons das Letras e Fonética

9.1. Aprender a ler em inglês é como decifrar um código secreto. Os alunos devem aprender quais letras ou combinações de letras representam os 40 sons do inglês falado.

9.1.1. "Ao entender o vínculo entre sons da fala em palavras faladas e letras do alfabeto e combinações de letras em palavras escritas, as crianças aprendem a ler e a soletrar" (Rollanda E. O'Connor).

9.1.2. Phonics refere-se à instrução em associações letra-som. É útil ensinar fonética explícita e sistematicamente. Peça aos alunos que pratiquem a leitura usando livros que contenham sons e letras familiares que possam ser facilmente reproduzidos.

10. Consciência Fonêmica

10.1. A consciência fonêmica é uma habilidade da linguagem oral que os alunos demonstram quando podem brincar com os sons das palavras.

10.1.1. "Sem a percepção do fonema, os alunos podem ficar confusos com o sistema de escrita e como ele representa a palavra falada" (Louis Cook Moats & Carol Tolman).

10.1.2. Os professores podem usar várias atividades breves e envolventes, como músicas e jogos, para facilitar a consciência fonêmica dos alunos.

11. Convenções de Escrita

11.1. As convenções de escrita são a mecânica da escrita, como maiúsculas, pontuação e caligrafia.

11.1.1. "Para que os alunos se tornem bons escritores, precisamos ajudá-los a se tornarem escritores estratégicos, conhecedores e motivados que não sejam prejudicados por habilidades de transcrição e construção de frases ineficientes ou com defeito" (Steve Graham).

11.1.2. Os alunos se beneficiam de instruções explícitas em convenções de escrita, incluindo regras de formação de letras e pontuação e letras maiúsculas.

12. Construção de Conhecimento

12.1. A construção do conhecimento ocorre quando os alunos ampliam sua compreensão de um conceito ou habilidade.

12.1.1. “Na sala de aula como uma comunidade de construção de conhecimento, os alunos se preocupam com a compreensão, com base em seus problemas reais no mundo real” (Marlene Scardamalia)

12.1.2. Faça perguntas abertas e incentive os alunos a compartilhar uma variedade de idéias e experiências relacionadas ao conceito que está sendo ensinado. Ensine estratégias para organizar e aplicar conhecimentos novos e existentes.

13. Motivação para a Alfabetização

13.1. Atividades que promovem o prazer dos livros e o apreço pela utilidade da leitura e da escrita motivam os alunos.

13.1.1. “Um leitor envolvido compreende um texto não apenas porque é capaz de fazê-lo, mas porque está motivado para fazê-lo” (John T. Guthrie)

13.1.2. O estabelecimento de motivação para a alfabetização é particularmente importante nas primeiras séries, no entanto, os professores devem se esforçar para tornar as atividades de alfabetização motivadoras em todas as séries.

14. Linguagem Oral e Aprendizagem da Língua

14.1. Conhecer um idioma significa seguir as regras de pronúncia e gramática e entender o significado de palavras e frases em diferentes contextos.

14.1.1. “A primeira língua do aluno é a base para o aprendizado da segunda língua, uma ferramenta importante para a aprendizagem e um componente importante da identidade pessoal e cultural” (Elizabeth Coelho)

14.1.2. Os professores podem apoiar o desenvolvimento da linguagem oral, lendo em voz alta diariamente e criando situações, incluindo contar histórias, que dão aos alunos o objetivo de usar uma linguagem precisa e mais complexa.

15. Universidade da Região de Joinville Acadêmico: Guilherme Klemann.